Pular para o conteúdo

Religião: Enneka

10/03/2009

Enneka

O Mundo

Drikyo e os Ayena

No começo do mundo, quando as estrelas ainda não brilhavam e o mar não era nada mais que um lago cercado pelo vazio da noite, havia Enneka. Ela era a Única, a Senhora do Primórdio. Vivia na Ilha Iluminada, Hémenas, em meio ao Grande Mar da Noite, Getúar. No início, Enneka corria pelos bosques sagrados, solitária, esperando que seu filho nascesse, pois era isso o que mais desejava.

Gerado sozinho pela Mãe, Drikyo nasceu às margens do Grande Mar. Disse a Enneka que não queria ter nascido, e que o seio da Senhora do Primórdio era perfeito em sua totalidade, desejando ter ficado lá para sempre. Assim, tão logo aprendeu a falar, ele amaldiçoou a própria mãe, e foi embora de Hémenas num grande barco, feito de sua própria ira.

Arrasada, Enneka se isolou e ressentiu a perda do próprio filho. Chorou de tristeza e gritou por um tempo incontável, e os ecos de seus gritos cortaram a terra e o mar, despedaçando o mundo como ele era. Ainda mais triste por ter tido seu coração arrancado e seu mundo desmoronado, Enneka deu parte de sua luz ao Grande Mar, ao Céu trovejante, e à Terra, agora rasgada sobre a superfície das águas agitadas.

Esses três fragmentos da luz de Enneka foram Alamira, Neranya e Ebrenyo. Os três, chamados Ayena, passaram a reconstruir o mundo arruinado pelo desespero da mãe. Alamira tomou para si os mares, os rios e os lagos, tudo o que nada e que vive nas proximidades da água. É chamada de Senhora das Marés e Mãe da Calma, pois foi por suas mãos que o Grande Mar aquietou-se quando o mundo se deitava novamente.

Neranya domou as primeiras trovoadas e avançou pelos céus, ficando com as nuvens, o vento e as estrelas para consigo. Seus domínios se estendem por sobre tudo o que respira ar fresco e que pensa por si só – é ela a mãe da sabedoria, a que Vê, Ouve e Sente Tudo.

A terra sulcada pelos rios de Alamira e deformada pelas ventanias de Neranya ganhou Ebrenyo como seu senhor e rei. Foi ele quem levantou as mais altas montanhas e quem permitiu às árvores e aos outros seres vivos que crescessem fora da Ilha Iluminada. Após os três terem restaurado a terra, Drikyo voltou de seu reino escuro e tentou destruir o mundo, pois sabia que se conseguisse, desta vez Enneka não resistiria e morreria de tristeza. Sua tentativa foi em vão, pois Neranya rechaçou suas hordas de demônios, e Alamira as afogou com suas ondas, enquanto Ebrenyo juntava exércitos para defender a terra e a Ilha Iluminada.

Enneka, percebendo que seu reino pereceria, tomou uma atitude que mudou o mundo mais uma vez: arrancou Hémenas do seio do mar, e suas raízes arrancaram consigo partes da terra nova, levando aos céus distantes o paraíso da Ilha Iluminada. Há agora apenas uma ponte que liga o Céu à Terra, a grande serpente chamada Evié, que engoliu a ilha sagrada e a protege de Drikyo. Este ainda tenta invadir o Paraíso e destruir sua própria mãe, enquanto os Três Senhores o detêm em seus domínios sombrios.

Para auxiliar em sua guerra contra as sombras, os Ayena convocaram aspectos de toda a existência, os Devana, para poder controlar o mundo e mantê-lo livre de Drikyo, além de isolá-lo de qualquer contato com as Terras do Céu, como Hémenas também é chamada.

Os Devana

Os filhos de Ebrenyo, os homens, que viveram por pouco tempo com Enneka, se espalharam pelo mundo e, tal qual um rebanho, foram conduzidos pelos Ayena por sobre a terra. Para ajudá-los em sua vida sem a Mãe, os Ayena convocaram os Devana, espíritos de luz menor que a deles, porém infinitamente mais poderosos que qualquer ser vivo. Estes seres iluminados eram sete, e todos eles continham aspectos dos Ayena de alguma maneira.

Havia então Hangira, a que invocava as nuvens de chuva e fertilizava os campos, dando vida às plantações e à própria terra; esta era irmã de Ambrenan, o mais querido dos filhos de Ebrenyo, responsável por sanar as dores da terra, senhor da caça e da cura por meio de ervas. Ambrenan era o único dos devana a se apresentar como homem, enquanto as outras tomavam formas femininas sempre que assim desejavam.

Hrinameda era a que aconselhava seus irmãos, sendo a sabedoria e a profecia seus domínios. É ela o oráculo divino. Das devana, a que mais se aproximava dela era Tálya, governante da criatividade e da inspiração, senhora das viagens, da arte e da música.

Cavalgando ao lado dos homens em suas guerras sempre esteve Kurya, mãe dos guerreiros e de todas as batalhas, dentre os devana a que mais tinha o senso de justiça e de pureza, e a que mais ponderava perante questões importantes. Sua irmã é Felara, deva do fogo, da coragem e da sobrevivência, aquela que cuida das casas e dos lares de cada ser que vive sobre a terra, bem como das moradas dos devana.

O último dos grandes espíritos invocados pelos Ayena foi Edanya, que recebeu o encargo de cuidar dos portões do Evié, a Boca da Serpente. É ela a responsável pela morte e pelo renascimento, e de tudo o que vai e volta de Hémenas.

Além dos sete primeiros devana, nasceram os devana menores, cujo número é incontável e os nomes são muitos a ponto de serem muitas vezes esquecidos. Os mais lembrados são os Devana dos Ventos e os Devana das Estações. Seus nomes são muitos, assim como seus domínios são distantes e, ao mesmo tempo, próximos.

Heliára é o Vento Leste, chamada de Rainha das Nuvens e do Amanhecer. Taínara, do Oeste, Mãe dos Rúnana e do Entardecer. A donzela do Vento Norte é Habreníra, devana dos Pássaros e do Sol do Meio-dia. Por fim, Meliára, a Senhora do Vento Sul, é a mãe de todos os pequenos animais e da Meia-noite.

Quando o mundo tomou sua forma final, já com Drikyo rechaçado aos seus domínios, o tempo passou a correr de maneira a manter a terra sempre em mudança, e as mais sutis eram as sentidas nos domínios de Ebrenyo, por meio dos devana das estações. Shimara traz a Primavera em sua carruagem, acompanhada por Selenara, a senhora do Verão. No outono, Miriaron é o rei, e seu trono é tomado por Gágharon no inverno.

 

A religião

A religião de Enneka é a mais difundida nos reinos de Séghen, sendo raríssimo uma pessoa que blasfeme contra a Mãe ou qualquer uma das divindades de sua religião. A crença é algo natural, fluído e qualquer um que a desacredite é visto como diferente e excluído.

 

Correspondências entre os Domínios Divinos

Neranya: Vento, Sabedoria, Mensagens
Alamira: Água, Cura, Pureza
Ebrenyo: Terra, Força, Resistência

Hangira: Fertilidade, Chuva, Colheita
Ambrenan:   Caçada, Cura, Fertilidade
Hrinameda:   Sabedoria, Profecia, Esperança
Tálya: Viagem, Artes, Inspiração
Kurya: Guerra, Justiça, Honra
Felara: Fogo, Coragem, Sobrevivência
Edanya: Morte, Vida, Renascimento

Heliára: Vento Leste, Nuvens, Amanhecer
Taínara: Vento Oeste, Rúnana, Entardecer
Habreníra:  Vento Norte, Pássaros, Meio-dia
Meliára: Vento Sul, Animais, Meia-noite

Shimara: Primavera, Infância, Criação
Selenara: Verão, Juventude, Força
Miriaron: Outono, Sabedoria, Velhice
Gágharon:  Inverno, Queda, Renascimento

Costumes

O povo costuma orar para os Ayena, sempre pedindo pelo retorno de Enneka à terra e pela destruição de Drikyo. Há a crença de que o Primeiro Filho (um dos eufemismos para ele; raramente dizem seu nome) vive nas sombras da noite, além das bordas do mundo, e que os Devana se unirão aos Ayena na Guerra do Fim, quando Hémenas descerá e o mundo será novamente perfeito.

Enneka não é venerada. Não se pede nada a Ela, pois é Ela quem precisa do povo e das forças que este pode dar a ela em sua agonia devido ao seu filho perdido. As orações sempre incluem amor e solidariedade à Ela, que é sempre chamada de Mãe, Nossa Mãe e equivalentes.

Há sempre referências à Hémenas no dia-da-dia do povo, em interjeições como “Pela terra do Céu!”, “Pelo Portão de Edanya!” e equivalentes. Uma das peculiaridades sobre Hémenas são as Árvores-do-Céu, espalhadas por Haminar e Teramar. O povo acredita que estas plantas colossais são, de fato, pedaços da Ilha Iluminada que ficaram para trás quando esta foi levada aos céus.

O povo costuma andar com colares e pulseiras com pingentes com símbolos de sua divindade “patrona”, que, normalmente, é a mais venerada na comunidade onde vivem.

Os templos

Há templos para os Ayena em todos os reinos, com exceção de Azagûr e Shiran. Em sua maioria esmagadora, as comunidades veneram com mais reverência uma divindade que tenha mais relação com a região onde estão. Em ambientes costeiros, por exemplo, ainda que os Três Senhores sejam venerados, o maior altar do templo será o de Alamira, a provedora das águas. Além, é claro, dos devana mais respeitados da região – existem centenas de histórias envolvendo estes seres divinos, e muitos deles sequer são conhecidos em outras regiões, sendo muitas vezes lendas locais.

Os templos são sempre guardados por sacerdotizas, e suas portas nunca são fechadas – exceto em caso de guerras ou outro tipo de emergência. Mesmo à noite, quando as sacerdotizas dormem, há pelo menos um ou dois guardas protegendo o santuário – obviamente, o número varia conforme o tamanho do local, mas os templos tendem a ser pequenos.

A hierarquia dos templos é simples; há apenas três postos: o sacerdote, a sacerdotiza, e o guardião. Seus números variam de templo para templo, mas são sempre homens e mulheres castos, que se dedicam exclusivamente ao santuário. A sacerdotiza vive no templo e raramente sai dele desde o momento em que se dedica à nova vida. É ela quem lidera os cultos e quem aconselha o povo. O sacerdote faz o mesmo que a ela, mas também viaja de templo em templo e de cidade em cidade. O guardião vive para proteger o santuário, por qualquer que seja o motivo.

Ter um membro da casa como servidor do templo local é orgulho para muitos, e algumas cidades têm santuários que ficam há gerações sendo cuidados por pessoas de uma única família.

As Casas de Cura de Alamira

Sendo a Senhora da Pureza e da Cura, Alamira tem em seus sacerdotes verdadeiros artesãos da arte de recuperar doentes e sanar os problemas de saúde do povo. Há templos específicos para estas atividades do sacerdócio, chamados de Casas de Cura, que podem ser encontrados nos mais variados lugares. Nem toda cidade tem uma casa de cura, sendo que sua estrutura costuma ser grande e abraçar toda a região de um determinado reino, estando normalmente nas capitais e cidades maiores. Em vilas e aldeias, o povo costuma buscar as sacerdotizas da Ayena e os curandeiros de Ebrenyo, por sua sabedoria com as ervas e outras plantas que curam doenças.

Pilares, Espíritos e o Devaya

Após a Explosão das Almas e da Invasão dos Espíritos, os templos dos Ayena tornaram-se verdadeiros refúgios. O povo crê que os Pilares sejam ligações da terra aos domínios do Reino Escuro, e que os espíritos sejam demônios enviados por Drikyo para destruí-los. Assim, enfraquecendo ainda mais Enneka, ou então, possuí-los e levar os invasores pelos Portões de Edanya até a Mãe, de modo que possam destruir o Evié por dentro e abrir passagem para as hordas do Inimigo.

Os Pilares são evitados por todos. Tidos como locais amaldiçoados e abandonados pelos Ayena, apenas guardiões experientes se aventuram nas proximidades de uma das Três Luzes, e ainda assim, apenas em missões importantíssimas que exijam tal feito.

O Devaya é um caso extremo. Antes considerada a primeira passagem da alma mortal ao Evié, e residência primeva dos devana – deles nasceu o nome Devaya, afinal – agora o Outro Lado é temido, ainda que antes fosse simplesmente evitado como local sagrado demais para pés mortais pisarem. Hoje em dia os sacerdotes, junto de guardiões, buscam locais onde espíritos estejam rompendo o Muro que separa os dois lados, para então purificá-los e destruir quantos invasores puderem.

Os Badara

Há um grupo de guardiões seletos dentre as fileiras de guerreiros que lutam por Enneka. Estes são chamados de Badara, e são diferentes de qualquer outro por um motivo único: têm em seu próprio espírito sinais de possessão, alterações em seus corpos e almas causadas por invasores. Normalmente mais fervorosos que os demais servos dos templos, os badara usam seus poderes e habilidades sobre-humanas para defender sua fé e proteger suas comunidades, agindo nas sombras, como guardiões furtivos, raramente sendo vistos pela população, que têm por eles um misto de medo e respeito.

Quase sempre, os badara são pessoas comuns, que viviam ou não o serviço religioso, quando tiveram sua vida alterada por um espírito – por possessão, contato profundo, perturbações, etc – e que, desse modo, não conseguiram mais seguir sua vida normal, encontrando na religião a resposta para a sua nova maneira de viver.

Raramente um badar trabalha com outro; em sua maioria, vivem solitários, como caçadores de perturbações espirituais e purificadores de feridas no Muro. Nas poucas vezes que se unem a outros membros dos templos, são com guardiões e sacerdotes em tarefas que exigem muitas pessoas.

A Nova Religião em Bados

Sacerdotes que receberam uma dita revelação, nas Terras Sagradas de Adamadel, trouxeram ao reino de Bados e às suas regiões fronteiriças uma nova visão da religião de Enneka, a qual venera única e somente a Mãe, e na qual os Ayena e os Devana não são nada senão apenas os que auxiliaram a Senhora na criação do mundo, tento então o abandonado desde o começo dos tempos.

Os badi acreditam apenas nos poderes de Enneka e Drikyo, e suas orações pedem sempre pela expulsão do Inimigo e do Reino Sombrio, além de clamar pela volta da Mãe que os protege à distância, selada pela serpente criada por Edanya.

Há uma repulsa em especial pela deva da morte e do renascimento, e a Igreja de Bados prega que ela é, de fato, independente de Enneka e de Drikyo, e considerada apenas Deva da Morte, sendo a responsável pela sina última de todos os seres vivos (enquanto o resto do mundo a considera responsável pelo renascer das almas em Hémenas).

No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: